sexta-feira, 13 de março de 2009

Kawasaki ZX -12 R Ninja

Aqui temos uma miniatura acima com plataforma de exposição em escala 1:24 e abaixo outra miniatura do mesmo modelo em escala 1:18.











































A pergunta que todos fizeram quando a Kawasaki ZX-12R foi oficialmente apresentada. Se a nova Kawasaki poderia destronar a Hayabusa como a moto de série mais rapida do mundo. Tendo em conta que a casa de Akashi se tem mantido historicamente fiel ao seu lema de possuir a moto mais potente do mercado, era lógico que construísse uma máquina capaz de destronar a Hayabusa. Não obstante, as inúmeras comparações que se realizaram posteriormente provaram que as diferenças entre ambas são mínimas. De fato essa Kawasaki tem uma bela estampa, pois o que mais impressiona ao ver a Kawasaki ZX-12 R é, sem dúvida, a cor dos seus plásticos: verde Kawasaki mas metalizado, uma mistura da cor radical de guerra da marca com metalizado que lhe dá sobriedade e elegância. As formas curvas de toda a moto contrastam com os pequenos e afilados winglets laterais. Os generosos retrovisores também seguem uma linha mais afilada que qualquer outro componente da motocicleta. Os punhos abertos, não muito baixos, o assento de pele antideslizante e uns estribos não demasiado atrasados, o suficiente para que os cotovelos não toquem no joelho quando alguém se senta nela, e a altura do seu ecrã são outros pormenores a destacar na fisionomia desta moto. A equipe que trabalhou no chassis realizou um bom trabalho, porque a máquina é suficientemente ágil para se tornar divertida nas curvas, mas também cómoda para percorrer grandes distâncias. O seu feedback é excelente, o que, a par de uma suspensão e de uns pneus excelentes, faz com que negociar curvas a grande velocidade não pareça muito arriscado. O relativo pouco avanço permite-lhe deslocar-se muito depressa por zonas serpenteantes. É muito ágil para uma moto de 1200 cc e inclina com facilidade, não tanto como a Yamaha YZF - R1, porém mais que a Hayabusa. A forquilha e o amortecedor um grande equilíbrio entre comodidade e controle, o que confere à moto um tato muito mais desportivo do que seria de esperar. Apesar da suspenção macia, a sua forquilha invertida absorve todas as irregularidadaes do terreno nas travagens mais fortes, sem ressaltos e com a motocicleta ainda inclinada. Os pif paf tornam-se muito simples de fazer, nota-se a direção muito livre e rápida, apesar de se tratar de uma moto de grande cilindrada. No que diz respeito à amortização, esta permite que a roda dianteira se mantenha sob controle sem eliminar a informação que chega às mãos e transmite o estado da estrada, o que evita que as irregularidades afetem os punhos. O mesmo acontece atrás, onde, além de suportar uma grande potência, o eixo traseiro realiza um trabalho impressionante"alisando" as irregularidades do terreno. A presente matéria é fonte de uma excelente coleção denominada Moto Collection, a qual traz informações do mundo das motos.








video

Nenhum comentário:

Postar um comentário